segunda-feira, 6 de dezembro de 2010

ER's




I – DEFINIÇÃO DE CONSELHEIRO DE ER

  1. Quem deve ser o Conselheiro de ER? Acima de tudo, deve ser aquele escolhido por Deus, dentre muitos, na Igreja, para o exercício do ministério com Embaixadores do Rei. Naturalmente, antes de aceitar o desafio de liderar o referido ministério, o privilegiado deve possuir a convicção de que o SENHOR o convocou para o exercício do referido ministério, apropriar-se de todas as ferramentas e recursos disponíveis, preparar-se, vestir a camisa da organização, e envidar todos os esforços para desenvolver o seu ministério com o máximo de sua capacidade. Dentre os vários requisitos necessários para tornar-se Conselheiro de Embaixadores do Rei, é fundamental que o candidato seja batizado, dizimista, comprometido com Deus e a Igreja, tenha boas relações familiares, sociais e profissionais, seja honesto, tenha maturidade espiritual, e seja dinâmico.

  1. O Conselheiro deve ser um Construtor: Sem dúvida, a convicção de construir o menino hoje para não remendar o homem no futuro, deve ser o carro chefe da missão do Conselheiro de ER. E, para tanto, deve-se investir ferramentas e materiais de primeira qualidade. É evidente que o Conselheiro de ER é apenas um cooperador de Deus na construção do homem de amanhã. Entretanto, é uma cooperação de valor incalculável.

  1. O Conselheiro é um Professor: A missão de ensinar acompanhará o Conselheiro por toda a vida. Haverá várias oportunidades para ensinar valores, princípios, doutrinas, ética, e muitas outras coisas que ajudarão a construir o homem do presente e do futuro. É importante considerar os seguintes aspectos, para se alcançar um resultado satisfatório:

1)      Diferenças Individuais: Cada ER é, de certo modo, diferente dos demais membros da Embaixada e seus gostos, desgostos, interesses, aptidões e necessidades. Não trate os ER como conjunto, mas como indivíduos.
2)      Jamais despreze o nível dos ER: O ensino aos ER deve começar a partir do que eles já conhecem, levando em conta as experiências que já viveram em relação ao tema a ensinar.
3)      Ter sempre um plano de trabalho definido: O Conselheiro deve possuir o hábito de meditar na Bíblia; descobrir as necessidades próprias dos ER da Embaixada; orar, pedindo a Deus direção para o planejamento e a execução das tarefas, e nunca perder o foco daquilo que se pretende alcançar. 

  1.   O Conselheiro de ER é um ganhador de almas: Esta missão é um privilégio desmedido do Conselheiro de ER. Pois, o menino acredita nele, no que ele prega, e observa como ele vive. Em sendo assim, quando o Conselheiro prega a Palavra de Deus o Embaixador crê piamente que é a verdade, e, se feito apelo, entregará o seu coração ao Salvador. É claro, que alguns poderão ser um pouco resistente. Uma oportunidade imperdível para pregar a Palavra de Deus e fazer apelo é no exercício do Trabalho nos Postos; principalmente, no estudo dos Manuais do Candidato e do Embaixador Arauto, que contêm passagens bíblicas evangelísticas. Conquanto, as reuniões regulares, congressos, acampamentos, passeios, e em casa, também são oportunidades de ganhar o ER para Cristo.
  2. O Conselheiro de ER é um Missionário: É extremamente descabido um Conselheiro que não ame missões, viva missões, e ensine missões. Como tal o Conselheiro deve gastar-se e deixar-se ser gasto a fim de que o ER se entregue a Cristo, batize-se, seja integrado na Igreja, tenha uma boa formação cristã, desenvolva o seu caráter e uma disciplina pessoal, e contribua de uma forma ativa para a obra missionária.
  3. O Conselheiro de ER deve ser um Conselheiro: Ainda em fase de descoberta, o ER precisa de aconselhamento, orientação, apoio, incentivo, atenção e de outros suprimentos. O Conselheiro não lhe pode negar esse direito. Entretanto, deve se disponibilizar para contemplá-lo à medida da necessidade. É bom salientar que o ER tem maior facilidade de abrir o seu coração com o Conselheiro do que com os pais ou quaisquer outros que exerçam liderança sobre ele. A confiança do ER no Conselheiro é desmedida. Porém, o Conselheiro nunca poderá desprezá-la, tampouco traí-la. Nem sob tortura! Diante de Deus e dos Homens!

  1. Requisitos indispensáveis a um Conselheiro de ER: todos sabemos que um Conselheiro não é criado em um curso, mas o curso é a fecundação que gerará um Conselheiro. Entretanto, alguns requisitos são consideráveis:

  1. Conhecimento de Liderança,
  2. Noções de Psicologia,
  3. Conhecer a Organização ER,
  4. Saber avaliar pontos altos e baixos,
  5. Senso de cooperação denominacional,
  6. Entusiasmo,
  7. Honestidade e compreensão,
  8. Iniciativa e coragem,
  9. Autoconfiança,
  10. Bom humor,
  11. Discrição no falar e na aparência,
  12. Amor a Deus e ao próximo,
  13. Genuína Conversão,
  14. Amor a missões,
  15. Nunca chegar tarde nas programações da Embaixada,
  16. Procurar conhecer cada ER, na casa, na Igreja e na Embaixada,
  17. Amabilidade,
  18. Modéstia,
  19. Lealdade, Altruísmo,
  20. Saúde,
  21. Pureza,
  22. Disciplina Pessoal,
  23. Boa conduta ética e moral,
  24. Autenticidade,
  25. Veracidade oral,
  26. Comprometido com a Verdade,
  27. Outras

II – DEFINIÇÃO SOBRE A ORGANIZAÇÃO ER:

  1. O que é a Organização ER? É uma Organização Batista para meninos de 09 a 16 anos, filhos de membros da Igreja ou não. Suas atividades visam o desenvolvimento físico, moral e espiritual de seus membros.

  1. Qual é o seu objetivo? Desenvolver o caráter cristão dos meninos, de tal maneira que se tornem crentes ativos e consagrados, e possuídos de um espírito intensamente evangelístico e missionário.

  1. Como alcançar o seu objetivo?

a)      Através de um Sistema de Postos, atraente e prático, que ajuda os meninos a conhecerem mais a Bíblia e a obra missionária; 
b)      Um programa de atividades próprias para os ER, como SR – Serviço Real, Acampamentos e Excursões;
c)      Vários tipos de reuniões, numa programação agradável e variada.



III – HISTÓRICO DA ORGANIZAÇÃO ER:

  1. Como, onde e quando surgiu a organização ER? Tudo começou em 1883, quando um grupo de meninos de 12 a 14 anos, da cidade de Owensboro, estado do Kentucky, nos Estados Unidos da América, começou a se reunir para estudar missões e orar pelos missionários. Respirando missões, o grupo resolveu investir no envio de uma estudante à escola dirigida pela grande missionária Lottie Moon, em Tengchow, na China. Para conseguir os recursos, os meninos carregavam compras em troca de gorjetas, engraxavam sapatos, vendiam plantas, e etc.

  1. Quem foram os responsáveis pela criação dos Embaixadores do Rei? Havia uma grande necessidade nas Igrejas Batistas, de uma Organização para atender as necessidades dos meninos de 12 a 14 anos. De igual modo, quando a estudante que havia sido enviada à escola da grande missionária Lottie Moon retornou aos Estados Unidos, sentiu um forte desejo de retribuir aos meninos que muito lhe ajudaram no seu envio à China. Porém, não sabia como. Não havia uma idéia clara do que fazer. Entretanto, 25 anos depois, em maio de 1908, em conjunto com a UFMBSEU – União Feminina Missionária Batista do Sul dos Estados Unidos, esse sonho foi realizado, trazendo à existência oficialmente a Organização Embaixadores do Rei. 

  1. Como e por quem a ER chegou ao Brasil? A organização Embaixadores do Rei chegou ao Brasil de uma forma muito inusitada. Haja vista a grande dificuldade enfrentada pelo grande e incansável missionário Willian Alvin Hatton, quanto ao campo de atuação de seu ministério. Ele acreditava piamente que o Senhor o tinha chamado para exercer o ministério na África. Porém, quando ele estava pronto para partir rumo à África as portas se fecharam e tudo deu errado. Ele ficou sem entender o que estava acontecendo por algum tempo. Mas, voltou-se para Deus e perguntou-Lhe o que estava lhe querendo ensinar. Em silêncio por um certo tempo, Deus o respondeu de uma forma muito clara: quero que você atue em outro continente. Sem saber qual, ele ficou na torre de vigia atento para ouvir a voz de Deus. Não se decepcionou. Percebeu que o seu coração começou a se inclinar para a América do Sul. Certo dia, estudando o globo do mapa mundial, ficou sensibilizado pelas necessidades da América do Sul, especialmente, pelo país do Brasil. Sem pestanejar, começou a orar e Deus o confirmou a chamada para exercer o ministério no Brasil. Depois de se preparar, abriu mão de todo o seu conforto, de familiares, irmãos em Cristo, amigos, e de muitas outras benesses, e partiu rumo ao desconhecido. Porém, bem conhecido de Deus. Chegou ao Brasil em março de 1947, e foi direto para a Colônia em Santa Bárbara – SP, a fim de aprender a língua e a cultura brasileira. Em março de 1948 mudou-se para o Rio de Janeiro, quando iniciou as articulações para a implantação dos Embaixadores do Rei no Brasil. No dia 25 de agosto de 1948, na Igreja Batista da Tijuca, Rio de Janeiro, foi organizada a 1ª embaixada do Brasil, cujo nome foi: Embaixada Willian Buck Bagby, em homenagem ao missionário pioneiro do trabalho batista no Brasil. Quem pastoreava a IB da Tijuca era o pastor David Gomes. E o 1º Conselheiro de ER no Brasil, foi o Ir. Paulo Cabral Pimentel. De 1948 a janeiro 1950 a organização Embaixadores do Rei foi dirigida pela UFMBB – União Feminina Missionária Batista do Brasil, depois passou a ser dirigida a partir de fevereiro de 1950 pela JUERP, na época chamada de (Junta de Escolas Dominicais e Mocidade), e por fim, a partir de 23 de janeiro de 1978, quando foi criada na Convenção de Recife, pela UHBB – União de Homens Batista do Brasil, na época chamada de UMMBB – União Masculina Missionária Batista do Brasil, que teve como seu 1º Secretário Geral, eleito em 1979, o Ir. Dirceu Amaro.

IV – REQUISITOS PARA SE TORNAR UM ER:

  1. Tema: Somos Embaixadores por Cristo

  1. Divisa: De sorte que somos Embaixadores por Cristo, como se Deus por nós vos exortasse; rogamos-vos, pois por Cristo, que vos reconcilieis com Deus. II Cor. 5.20

  1. Significado do nome ER: O nome embaixador é aplicado àquele representa o seu governo em outro país. E o nome Embaixador do Rei, é aplicado àquele que representa Jesus Cristo aqui na terra. 

  1. Hino Oficial: Firmando Propósito, Letra de Edson José Machado e música de Antonio Coutinho

  1. Compromisso:

Prometo Esforçar-me por uma vida digna de um Embaixador do Rei; guardar meus lábios da mentira, da impureza e de tomar o nome de meu Deus em vão. Conservar meu corpo limpo e pronto para o serviço. Estudar a vida de grandes Embaixadores do Rei, na Palavra de Deus e nos livros missionários. Dar tudo o que puder para o sustento de missões, e pelo meu trabalho ajudar a estabelecer o Reino de Deus na terra.
Prometo ser leal a Jesus Cristo, viver para Ele, servi-Lo sempre. Terei uma vida pura, direi sempre a verdade, corrigirei os meus erros, seguirei a Cristo Rei. Se assim não for, para que nasci?

V – CÂNTICOS DA ORGANIZAÇÃO ER:

MEU REI


O meu REI me ampara dia a dia. Pois comigo sempre está. Nos perigos sempre ELE me guia, sossego e paz me dá. O meu REI me ampara até a morte, pois é grande o seu amor. ELE é o meu caminho de esperança, sendo eu Embaixador.

SEMPRE  EMBAIXADOR SEREI

Se ELE faz o Sol brilhar com esplendor. Se pode as estrelas firmar. O meu viver também irá brilhar, pois tenho um REI pra confiar. Se ELE as aves fez e faz a rosa abrir. Se pode o céu azul colorir, vou minha vida pôr em suas mãos, pra sempre feliz me conduzir. Experiente é meu grande REI, e DELE eu quero aprender. Se muitas coisas eu preciso aqui, de pronto me faz ter. Se Deus já me chamou, e já me convocou, serei fiel à sua Lei. Pois uma vez Embaixador do Rei, sempre Embaixador serei. Sempre Embaixador serei. Sempre Embaixador serei.

MÚSICA DO CÉU

Para meu Jesus com todo amor, há uma canção em meu coração. Música do céu de um Embaixador para o meu amado Rei. (Bis). Glória! Aleluia! Glória! Aleluia! Música do céu de um Embaixador para o meu amado Rei.

QUE BONITO É!


Que bonito é! Que bonito é, louvar ao Senhor! (Bis)
Só os Embaixadores vão cantar: Que bonito é! Que bonito é, louvar ao Senhor!

SÊ FIEL


Sê fiel até a morte, e a coroa da vida ganharás.
Sê fiel até a morte, e para sempre com Deus viverás.

Sê fiel! Sê fiel! Sê fiel às suas leis!
Sê fiel! Sê fiel! Sê verdadeiro Embaixador do Rei!

Sê fiel até a morte, batalhando na luta contra o mal!
Sê fiel até a morte, embaixador grande é teu ideal!
Sê fiel até a morte, proclamando a vitória na cruz!
Sê fiel até a morte, louvando sempre o nome de Jesus!

Convite

Oh! Venha ser também um embaixador! Um Embaixador! Um Embaixador do Rei! Oh! Venha ser também um Embaixador! E bem feliz você será!

SEMPRE ALEGRE

Eu ando sempre alegre, e vou dizer por que.
Eu sou Embaixador! Firmei este propósito, pra Cristo viverei. Sou Embaixador do Rei.
Alguém me perguntou porque eu sou feliz.
Eu sou Embaixador! Firmei este propósito, pra Cristo viverei.
Sou Embaixador do Rei

VI – MOMENTO CÍVICO:

  1. Entrada das Bandeiras

  1. Hino Nacional Brasileiro

  1. Juramento à bandeira Nacional: Prometo pela minha honra, proceder em todas as circunstâncias como homem consciente de seus deveres, amar a minha pátria e defendê-la na paz e na guerra.

a)      Hino 439 CC – Oração pela Pátria

Minha Pátria para Cristo!
Eis a minha petição:
Minha Pátria tão querida,
Eu te dei meu coração;
Lar prezado, lar formoso,
É por ti o meu amor;
Que o meu Deus de excelsa graça
Te dispense seu favor.

Salve Deus a minha Pátria,
Minha Pátria varonil!
Salve Deus a minha terra,
Esta terra do Brasil.

Quero, pois, com alegria,
Ver feliz a mãe gentil,
Por vencer seu Evangelho
Esta terra do Brasil.
Brava gente brasileira,
Longe vá temor servil;
Ou ficar a pátria salva,
Ou morrer pelo Brasil.



  1. Juramento à bandeira Cristã: Prometo ser fiel ao meu salvador Jesus Cristo, amá-Lo de todo o meu coração, servi-Lo com todas as minhas forças. Levarei a sua bandeira com a Bíblia aberta a todo o mundo.

Hino 469 CC - Corajosos

Um pendão real vos entregou o Rei, a vós soldados seus; corajosos, pois, de tudo defendei, marchando para o céu.

Com valor, sem temor, por Cristo, prontos a sofrer. Bem alto erguei o seu pendão, firmes sempre até morrer!

Eis formados já malignos batalhões, do grande usurpador! Revelai-vos, hoje, bravos campeões; avante sem temor!

Oh! Sejamos todos a Jesus leais, e a seu real pendão! Os que na batalha sempre são fiéis com Ele reinarão.

  1. Juramento à bandeira dos ER:

Prometo esforçar-me por uma vida digna de um Embaixador do Rei; guardar meus lábios da mentira, da impureza e de tomar o nome de meu Deus em vão. Conservar meu corpo limpo e pronto para o serviço. Estudar a vida de grandes Embaixadores do Rei, na Palavra de Deus e nos livros missionários. Dar tudo o que puder para o sustento de missões, e pelo meu trabalho ajudar a estabelecer o Reino de Deus na terra.

Prometo ser leal a Jesus Cristo, viver para Ele, servi-Lo sempre. Terei uma vida pura direi sempre a verdade, corrigirei os meus erros, seguirei a Cristo Rei. Se assim não for, para que nasci?

Hino Oficial: Firmando Propósito

Sendo Embaixador eu quero ser leal a Cristo o Rei. Conhecer seus mandamentos, pertencer a sua grei. A minha organização eu desejo ser leal. Minha igreja e seu programa honrarei até o final.

Meu propósito está firme, sou Embaixador do Rei. O Senhor em quem confio dá-me plena paz eu sei.

Sendo Embaixador eu quero ter o corpo limpo e são. Ter a mente pura eu posso e também o coração. Minha alma será pura para adorar a Deus. Pois somente a Ele devo dispensar louvores meus.

Sendo Embaixador eu quero ser precioso a meu Jesus. Trabalhando na seara, espalhando a sua luz. Cristo a mim é mui precioso, sendo eu Embaixador. Como Conselheiro aceito, Guia, Rei e Salvador.

VII – Regras básicas para realizar um acampamento:

  1. Conhecer o local,
  2. Descobrir os meios de aceso,
  1. Pesquisar postos de saúde e mercados das proximidades,
  2. Definir estruturas do acampamento,
  3. Elaborar o orçamento do acampamento,
  4. Realizar campanhas de arrecadação para o acampamento,
  5. Solicitar autorização dos pais por escrito,
  6. Descobrir problemas de doenças dos meninos, e se usam medicamentos habituais ou se tem alergia a algum alimento,
  7. Não permitir que levem objetos de valores, tampouco muitas bagagens,
  8. Providenciar medicamentos de primeiros socorros,
  9. Providenciar instrumentos acampamentários: facão, lanternas, etc


VIII – SISTEMA DE POSTOS:

I – Requisitos Mínimos para se tornar um ER:

a)      Tema
b)      Divisa
c)      Significado do nome Embaixador e do nome Embaixador do Rei
d)     Hino Oficial
e)      Compromisso

II – Candidato:

a)      Requisitos Mínimos
b)      Passagens Bíblicas: A condição do homem e o plano de Deus para salvá-lo
c)      Declaração dos ER
d)     Insígnia
e)      Regras dos ER nos esportes
f)       Movimento Moderno de Missões
g)      Biografia Missionária – JMM/JMN
h)      Serviço Real
i)        Parte no Programa

III – Postos Básicos:

  1. Embaixador Arauto: 10 anos

a)      Passagens Bíblicas: Mensagem do Evangelho para o mundo perdido
b)      Histórico dos ER
c)      Hino Reino Glorioso
d)     Regras de Socorros de Emergências
e)      Inícios dos Batistas no Brasil
f)       Homens e Missões – Heróis da fé
g)      Biografia de Jonas
h)      Convenção Batista Brasileira e Diretoria
i)        Parte no programa
j)        Execução de Serviço Real
k)      Atividades
l)        Um só Deus – Muitas religiões

  1. Embaixador Escudeiro: 11 anos

a)      Parte no programa
b)      Execução de Serviço Real
c)      Hospital, Ambulatório – Adotando um enfermo
d)     Sua comunidade
e)      Socorros de Emergências
f)       Tradutores da Bíblia
g)      Passagens Bíblicas
h)      Missões na América do Sul
i)        Dez missionários
j)        Juntas da CBB – Instituições
k)      Você: Seu corpo, sua mente, seu caráter


  1. Embaixador Cavaleiro: 12 anos

a)      Passagens Bíblicas
b)      Doutrinas Bíblicas
c)      Os deveres do Embaixador
d)      Jesus, o Missionário
e)      Viagens missionárias de Paulo
f)       Os Batistas brasileiros e missões
g)      Entrevista missionária
h)      Parte no programa
i)        Execução de Serviço Real
j)        Ajudar o Candidato a alcançar o posto de Embaixador Arauto
k)      Campeonato de salão

IV – POSTOS SUPERIORES: Execução de tarefas:

  1. Embaixador Sênior: 13 anos

a)      Estudo da Bíblia
b)      Missões
c)      Oração
d)     Mordomia
e)      Serviço Real
f)       Estudar o livro: Jovem, sente-se

  1. Embaixador Máster: Manual em desuso no momento: 14 anos

  1. Embaixador Emérito: 15 anos

a)      Estrutura da Denominação
b)      As Instituições Batistas de ensino teológico e de educação religiosa
c)      O Ecumenismo
d)     O que é ser cristão
e)      O Embaixador Emérito e o seu futuro

IX – Dinâmica de Trabalho nos Postos:

  1. Vitamina Real
  2. Boliche nos Postos
  3. Pescando e comendo
  4. Futebol nos postos
  5. Circulando o chapéu
  6. Cadeira vazia
  7. Ensino dirigido por posto
  8. Ensino dirigido integrado
  
X – Culto de Reconhecimento de Postos:

I – Objetivo: Apresentar à Igreja o que os meninos aprenderam entre as quatro paredes. Reconhecer os ER pelos seus esforços aplicados a fim de alcançar os requisitos exigidos. Mostrar a importância do menino participar da Organização ER.


II – O que deve ser feito:

  1. Seleção candidato apto à avaliação
  2. Aplicação de exame escrito
  3. Marcar o dia do Culto de Reconhecimento de Postos
  4. Divulgar o Culto de Reconhecimento de Postos
  5. Providenciar certificados, insígnias, manuais, uniformes, bandeiras, etc.
  6.  Convidar pregador e grupo musical, etc
  7. Definição de atribuições de cada ER na programação
  8. Elaborar o programa do Culto de Reconhecimento de Postos
  9. Definição de requisitos a serem apresentados pelos ER diante da Igreja
  10. Ensaiar todo o programa e a apresentação dos requisitos de cada ER
  11. Providenciar fotógrafo e filmagem
  12. Ornamentar a Igreja com símbolos dos ER

XI – Materiais da Organização ER:

  1. Cadernetas do Secretário e do Conselheiro de ER

  1. Manual do Conselheiro de ER

  1. Folheto para ser Embaixador do Rei

  1. Manuais:

a)      Candidato
b)      Embaixador Arauto
c)      Embaixador Escudeiro
d)     Embaixador Cavaleiro
e)      Embaixador Sênior
f)       Embaixador Máster
g)      Embaixador Emérito

  1. Certificados

  1. Revista O Embaixador

  1. Camisa do ER

  1. Bonés do ER e do Conselheiro

  1. Insígnias

  1. Bandeira do ER, Cristã e da Bíblia

  1. Toalha do ER
XII – Modelos de Reuniões de Embaixada:

1.      Reunião de Embaixada
2.      Culto de Aniversário de Embaixada
3.      Culto de Reconhecimento de Postos

a)      Saudação (Embaixador-Chefe – obs. Pode-se fazer uso do malho para atrair a atenção dos ER, poupar a voz, bem como disciplinar a reunião)
b)      Oração (todos de pés ou sentados, o Embaixador-Chefe designa quem vai orar)
c)      Leitura Bíblica (o Embaixador-Chefe deve comentar o texto)
d)     Cânticos da Organização (o Embaixador-Chefe designa quem vai conduzir os cânticos. Pode ser o grupo musical da Embaixada)
e)      Recitar o Tema (Embaixador-Chefe)
f)       Recitar a Divisa (Embaixador-Chefe)
g)      Recitar o Compromisso (Embaixador-Chefe)
h)      Recitar a Declaração (o Embaixador-Chefe pergunta e os demais ER respondem)
i)        Chamada (Secretário)
j)        Avisos (o Porta-voz é o responsável. O Conselheiro não deve dar os avisos, só reforçar. Preferencialmente, ao final da programação)
k)      Estudos Bíblicos, Missionários, Trabalho nos Postos, Filme Missionário, Reunião de Oração, Etc., a palavra deve ser passada ao Conselheiro que dará continuidade ou apresentará quem fará o estudo.
l)        Agradecimentos (o Embaixador-Chefe agradece a todos, convida-os para estarem na próxima reunião, e imediatamente, transfere a palavra ao Conselheiro, que reforçará os avisos e dará a palavra final)
m)    Oração de Encerramento (o Conselheiro pede para formar o Círculo da camaradagem, designa quem vai orar, e ao final da oração, dar o grito de guerra: Uma vez Embaixador do Rei? Sempre Embaixador do Rei!, respondem todos, dando um soco pra o ar).

XIII – ECA – ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE

Art. 1º - Esta Lei dispõe sobre a proteção integral à criança e ao adolescente.

Art. 2º - Considera-se criança, para os efeitos desta Lei, a pessoa até doze anos de idade incompletos, e adolescente aquela entre doze e dezoito anos de idade.

PARÁGRAFO ÚNICO: Nos casos expressos em lei, aplica-se excepcionalmente este Estatuto às pessoas entre dezoito e vinte e um anos de idade.

Art. 3º - A criança e o adolescente gozam de todos os direitos fundamentais inerentes à pessoa humana, sem prejuízo da proteção integral de que trata esta Lei, assegurando-lhes, por lei ou por outros meios, todas as oportunidades e facilidades, a fim de lhes facultar o desenvolvimento físico, mental, moral, espiritual e social, em condições de liberdade e de dignidade.
Art. 5º - Nenhuma criança ou adolescente será objeto de qualquer forma de negligência, discriminação, exploração, violência, crueldade, e opressão, punido na forma da Lei qualquer atentado, por ação ou omissão, aos seus direitos fundamentais.
Art. 13º - Os casos de suspeita ou confirmação de maus-tratos contra criança ou adolescente serão obrigatoriamente comunicados ao Conselho Tutelar da respectiva localidade, sem prejuízo de outras providências legais.
Art. 15º - A criança e o adolescente têm direito à liberdade, ao respeito e à dignidade como pessoas humanas em processo de desenvolvimento e como sujeitos de direitos civis, humanos e sociais garantidos na Constituição e nas leis.

Art. 16º - O direito à liberdade compreende os seguintes aspectos:

I – Ir, vir e estar nos logradouros públicos e espaços comunitários, ressalvadas as restrições legais;
II – Opinião e expressão;
III – Crença e culto religioso;
IV – Brincar, praticar esportes e divertir-se;
V – Participar da vida familiar e comunitária, sem discriminação;
VI – Participar da vida política, na forma da Lei;
VII – Buscar refúgio, auxílio e orientação.

Art. 17º - O direito ao respeito consiste na inviolabilidade da integridade física, psíquica e moral da criança e do adolescente, abrangendo a preservação da imagem, da identidade, da autonomia, dos valores, idéias e crenças, dos espaços e objetos pessoais.

Art. 82 – É proibida a hospedagem de criança ou adolescente em hotel, motel, pensão ou estabelecimento congênere, salvo se autorizado ou acompanhado pelos pais ou responsável.

Art. 83º - Nenhuma criança poderá viajar para fora da comarca onde reside, desacompanhada dos pais ou responsável, sem expressa autorização judicial.

1º - A autorização não será exigida quando:

n)      Tratar-se de comarca contígua à da residência da criança, se na mesma unidade da Federação, ou incluída na mesma região metropolitana;
o)      A criança estiver acompanhada:
1)      De ascendente ou colateral maior, até o terceiro grau, comprovado documentalmente o parentesco;
2)      De pessoa maior, expressamente autorizada pelo pai, mãe ou responsável;

2º - A autoridade judiciária poderá, a pedido dos pais ou responsável, conceder autorização válida por dois anos.

Art. 232º - submeter criança ou adolescente sob sua autoridade, guarda ou vigilância a vexame ou a constrangimento:

Pena – Detenção de seis meses a dois anos

Art. 233º - Submeter criança ou adolescente sob sua autoridade, guarda ou vigilância à tortura:

Pena – Reclusão de um a cinco anos.

1º - Se resultar lesão corporal grave:
Pena – Reclusão de dois a oito anos.

2º - Se resultar lesão corporal gravíssima:
Pena – Reclusão de quatro a doze anos
3º - Se resultar morte:
Pena – Reclusão de quinze a trinta anos.

Art. 251 – Transportar criança ou adolescente, por qualquer meio, com inobservância do disposto nos Artigos 83, 84 e 85 desta Lei:

Pena – Multa de três a vinte salários-de-referência, aplicando-se o dobro em caso de reincidência.


ESTRUTURA DO FORTE


FORTE – Frente de Operação Regional do Trabalho de Embaixadores, é a Associação de duas ou mais embaixadas, funcionando como núcleo vivo, na promoção de atividades próprias para Embaixadores do Rei, proporcionando uma atuação conjunta, sem interferir na autonomia das embaixadas.

OBJETIVO DO FORTE: Coordenar, apoiar e promover atividades de interesse comum das embaixadas pertencentes à região de atuação do FORTE.

CONSTITUIÇÃO DE UM FORTE: deve ser constituído de, no mínimo, duas embaixadas pertencentes à mesma região.

ESTRUTURA DO FORTE: Deve possuir um nome, um tema, uma divisa, um hino oficial, e uma insígnia que o identifique. As cores devem ser as mesmas da Organização; porém, os uniformes poderão sofrer variações.

DIRETORIA DO FORTE: A diretoria do FORTE será eleita pelo Conselho Diretor, e constituída da forma a seguir, com suas respectivas atribuições:

PREMIÉR (Executivo): Um Conselheiro de ER

·         Dirigir as reuniões do Conselho Diretor
·         Coordenar as atividades do FORTE
·         Representar o FORTE junto à AEMSAL, à UMHBBa e às Igrejas

CHANCELER (Presidente): Um Conselheiro de ER ou um Embaixador do Rei capacitado.

·         Dirigir as Assembléias do FORTE
·         Divulgar as atividades do FORTE
·         Secretariar nas reuniões do Conselho Diretor

COMISSÃO DE ACAMPAMENTO: Deve ser formada por um Conselheiro de ER, que será o Relator, e por um ER de cada Embaixada do FORTE.

·         Promover Acampamento do FORTE em conjunto com o PREMIÉR e o Conselho Diretor.

COMISSÃO DE EVANGELIZAÇÃO: Deve ser formada por um Conselheiro de ER, que será o Relator, e por um ER de cada Embaixada do FORTE.

·         Promover atividades evangelísticas

COMISSÃO DE RECREAÇÃO: Deve ser formada por um Conselheiro de ER, que será o Relator, e por um ER de cada Embaixada do FORTE.
·         Promover atividades recreativas
·         Promover torneios esportivos
·         Promover passeios

Obs. Outras comissões poderão ser formadas de acordo com a necessidade.

CONSELHO DIRETOR: Deve ser formado por todos os Conselheiros de ER pertencentes às Embaixadas do FORTE.

ATIVIDADES QUE O FORTE PODERÁ REALIZAR:

·         Acampamentos
·         Torneios esportivos
·         Atividades recreativas
·         Atividades evangelísticas
·         Intercâmbios
·         Passeios
·         Campanhas missionárias e de ação social
·         Promoções de ação social


Josué Nery
Presidente da UMHBBa